7.3.11

MULHER



Mulher


De vida, tão dura.

Que olhas o mundo com tanta ternura,

mesmo quando cheia de tanto cansaço

do trabalho feito em horas, a eito,

com filhos que choram, pedindo atenção,

que tu adormeces com uma canção,

que não te apetece mas tens que cantar.

E cantar... baixinho,

com forças perdidas por tanta jornada,

sem que dela venhas a ser compensada

e até te condenem sem culpa formada.

Mas tu lhes dirás: sou mãe.

Sou amante.

Sou mulher inteira.

Sou trabalhadora.

Sou mulher que luta.

Sou emancipada!

Helena Chainho

/8. Marco. 2004